Descubra A Conexão Econômica Entre A China E Portugal

Descubra A Conexão Econômica Entre A China E Portugal

Acolhida com honras militares, jantar de gala, passeio cultural, chuva de acordos comerciais…. O tempo dirá se a visita que estes dois dias, executa o presidente da República da China, Xi Jinping, passará aos anais da história como a versão asiática do bem-Vindo Mr.

Marshall que a Espanha disponibilizou aos EUA Vimes não faltam. A presença do primeiro-ministro chinês que joga em Portugal desde há treze anos, vem cercada de acordos comerciais. E é que, ainda que a Espanha e China iniciaram relações diplomáticas formais em finais dos anos 70 do século passado, não vem sendo, até a última década, quando essas são despuntado. Na última década, o comércio bilateral aumentou e assim como o fizeram os investimentos chineses em Portugal.

As exportações têm se multiplicado por 10, no que vai de século. O número de organizações que exportam para a China em 2010 era de 6.500, em 2017, o passado de 15.000. Uma em cada 10 organizações exportadoras portuguesas vende pra china, de acordo com a observação do Real Instituto Elcano.

  • Um História recente 1.Um Factores
  • Os tributos que serão revistos e que os exercícios em concreto
  • Carla Suárez imediatamente olha para cima
  • a Agir sem demora! A adaga afiada reduz muito rapidamente
  • dois Um progresso econômico excepcional
  • Contribuir de escritório
  • dois Google Keep
  • 0,636 IDHD (2017)[6]

Minerais, aparelhos mecânicos, miudezas de carne, equipamentos automotivos… são os principais setores que têm negócios no nação asiático. Mas se existe um setor em que a Espanha lidera aquele vasto mercado é o agro-alimentar. Esses últimos se reforçará ainda mais após os acordos assinados hoje.

Os espanhóis assim como são o terceiro mercado no Aliexpress, loja online de produtos Barato chineses, de domínio da gigante de tecnologia Alibaba. Apesar disso, a balança comercial está claramente distorcida. Dos 6,3 milhões de euros em exportações portuguesas para a China em 2017 contrastam com os 25,7 milhões de euros importados deste país, e lança um défice pro lado português que supera os 19.Quatrocentos milhões de euros. No lado dos investimentos, é a China quem lidera a relação.

A chegada de renminbis (moeda oficial) está em máximos históricos e supera os 1.600 milhões quanto há só uma década era inexistente. Neste momento, a China é o décimo superior investidor em Portugal, e Portugal é o nono destino de investimento chinês na UE. Além do mais, as organizações chinesas têm adquirido ativos de corporações espanholas pela América Latina por valor de mais de 10.000 milhões de dólares. Outra referência de entrada de renminbis a Espanha tem sido o programa de atração de investimentos denominado como Golden Visa.

No banco pra ele, o Governo português concede vistos pra aqueles que investem mais de meio milhão de euros em aquisições imobiliárias. 33% dos investimentos, que passaram por esta estrada, a partir de 2016 eram de origem chinesa. “Estes números estão remoto de investimentos efetuados em outros países europeus é deste modo que Portugal está em legal posição para aprimorar as relações”, explica Mario Esteban. Um dos setores onde a melhoria tem mais margem para o turismo.

Mais difícil é o de instigar o processo inverso. Isto é, incentivar os investimentos espanhóis diretas travagem, sobretudo, devido à burocracia do gigante asiático. A tal ponto que, depois de marcar um pico de 1.303 milhões de euros em 2010, a tendência não parou de descer. Em cada caso, nem sequer uns nem outros números foram o porquê de que Xi Jinping elegeu Portugal como ponto-chave de sua viagem ao G20 que se celebra o término de semana na Argentina.

A motivação é bem mais estratégica. “Portugal é, de imediato, um dos melhores destinos europeus pra investir. Aqui há gente muito bem preparada, a um gasto muito razoável”, explica Pedro Nueno, presidente da faculdade de negócios CEIB de Pequim, membro do comitê de Harvard, colaborador Da Vanguarda e um pioneiro em relações luso-chinesas. O mandatário chinês “stranger” desde tua chegada ao poder, em quatrorze de março de 2013, a política de abertura econômica e de internacionalização das corporações chinesas.

Classificado como: